Boletim da Covid-19 desta quinta (10/06) em Pernambuco

10/06/2021 - Postado por Eugênio Menezes 7

A Secretaria SES-PE registrou, nesta quinta-feira (10/06), 2.645 casos da Covid-19. Entre os confirmados hoje, 175 (6,5%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 2.470 (93,5%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 511.829 casos confirmados da doença, sendo 46.893 graves e 464.936 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Além disso, o boletim registra um total de 426.097 pacientes recuperados da doença. Destes, 26.743 eram pacientes graves, que necessitaram de internamento hospitalar, e 399.354 eram casos leves.

Também foram confirmados laboratorialmente 65 novos óbitos (33 femininos e 32 masculinos), ocorridos entre os dias 05/07/2020 e 09/06/2021. As novas mortes são de pessoas residentes dos municípios de Abreu e Lima (3), Araçoiaba (1), Araripina (1), Barreiros (1), Bom Jardim (2), Cabo de Santo Agostinho (3), Calçado (1), Camaragibe (1), Caruaru (2), Cumaru (1), Escada (1), Garanhuns (2), Gravatá (1), Iati (1), Igarassu (2), Ilha de Itamaracá (1), Jaboatão dos Guararapes (4), Joaquim Nabuco (1), Moreno (1), Nazaré da Mata (3), Olinda (1), Palmeirina (1), Paulista (1), Petrolina (4), Poção (1), Recife (14), Ribeirão (1), Santa Maria do Cambucá (1), São Benedito do Sul (2), São João (1), São Joaquim do Monte (1), São Vicente Ferrer (1), Surubim (1), Tamandaré (1) e Vitória de Santo Antão (1). Com isso, o Estado totaliza 16.614 mortes pela doença.

Os pacientes tinham idades entre 34 e 106 anos. As faixas etárias são: 30 a 39 (2), 40 a 49 (12), 50 a 59 (14), 60 a 69 (14), 70 a 79 (15), 80 ou mais (8). Do total, 42 tinham doenças preexistentes: doença cardiovascular (25), diabetes (17), hipertensão (10), obesidade (6), doença respiratória (3), câncer (2), doença renal (2), histórico de tabagismo (2) e doença hepática (1) – um paciente pode ter mais de uma comorbidade. Dois não tinham comorbidades e os demais seguem em investigação.

Com relação à testagem dos profissionais de saúde com sintomas de gripe, em Pernambuco, até agora, 29.937 casos foram confirmados e 52.197 descartados. As testagens entre os trabalhadores do setor abrangem os profissionais de todas as unidades de saúde, sejam da rede pública (estadual e municipal) ou privada. O Governo de Pernambuco foi o primeiro do país a criar um protocolo para testar e afastar os profissionais da área da saúde com sintomas gripais.

CONVIVÊNCIA – O Governo de Pernambuco informou, nesta quinta-feira (10.06), que as Macrorregiões 1 e 2, que contemplam a Região Metropolitana (RMR), Zona da Mata e Agreste, voltarão a avançar no Plano de Convivência com a Covid-19. Nas duas primeiras, o comércio de varejo e serviços poderá funcionar nos finais de semana dos dias 19 e 20 e 26 e 27, com horário reduzido. O Agreste, que estava com medidas restritivas mais severas, retomará suas atividades também nos dias de semana. Já as 35 cidades da Macrorregião 3, no Sertão, onde houve aumento na solicitação de leitos de UTI, entrarão em quarentena rígida a partir da próxima segunda-feira (14.06). Até o dia 20 de junho, nos municípios das Gerências Regionais de Saúde (Geres) VI, X e XI – com sedes em Arcoverde, Afogados da Ingazeira e Serra Talhada, respectivamente – só poderão funcionar, diariamente, as atividades permitidas no decreto. A Macrorregião 4, no Vale do São Francisco e Araripe, segue no esquema atual.

Na RMR, o varejo de bairro e centro, assim como bares e restaurantes, estará autorizado a funcionar nos finais de semana até às 18h, para o estabelecimento que abrir às 10h. Na Zona da Mata, o comércio está autorizado a abrir mais cedo, entre as 5h às 20h, respeitando o limite máximo 10 horas contínuas durante a semana, e entre 6h até às 18h nos fins de semana, completando oito horas de funcionamento. Já as lojas varejistas, localizadas nos municípios do Agreste, devem fechar mais cedo. Podem abrir das 5h às 18h, respeitando o máximo de 10 horas de expediente nos dias de semana, e nos sábados e domingos também são permitidas oito horas de abertura, entre 6h e 18h.

O secretário estadual de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebelo, abriu a coletiva de imprensa online com o detalhamento dos números epidemiológicos de cada região do Estado, assim como do progresso da vacinação. Em seguida, o secretário estadual de Saúde, André Longo, comentou os índices, reiterando que Pernambuco ainda vive um momento delicado e preocupante em relação à pandemia, mas já está colhendo os primeiros frutos do atual período de restrições mais severas. “Na 1ª Macrorregião já há desaceleração. Foi registrada uma redução de 10% nas solicitações de leitos de UTI na semana passada. Já nesta semana, de domingo até ontem, tivemos uma redução de 17% em comparação aos primeiros dias da semana anterior”, apontou, com base nos números apresentados por Rebelo.

No Agreste, após mais de 20 dias de intensas restrições, também foram registradas melhoras. “As solicitações de leitos de UTI tiveram estabilidade na semana passada, mas já nos primeiros quatro dias desta semana, houve queda de 31%”, justificou André Longo. De acordo com esses dados, segundo ele, já existe um processo de diminuição progressiva da fila por leitos de terapia intensiva e, neste momento, a oferta de vagas já supera o número de solicitações.

Longo também comentou a situação da Macrorregião 3, que contempla os sertões do Moxotó e Pajeú. “Lá, os indicadores caminham no sentido contrário, com forte aceleração”, disse. A região vive seu pior momento em termos de solicitações de UTI, com um crescimento de 57% nos primeiros dias desta semana. Já a 4ª Macrorregião permanece com estabilidade nos indicadores, de acordo com a Secretaria de Saúde. Mas no começo desta semana apresentou um aumento nas solicitações de leitos de UTI. “Vamos acompanhar o desenvolvimento desses números para reavaliar a situação”, concluiu.

MÁSCARAS – O secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação, Alberes Lopes, também participou da coletiva online, e anunciou a distribuição de 30 mil máscaras, partir do dia 14 próximo, nas feiras de Toritama, Caruaru e Santa Cruz do Capibaribe, para ajudar a combater o vírus nessas cidades. “A gente pede que todos continuem usando máscaras, continuem com o distanciamento e usando o álcool em gel. A economia tem sido afetada, e é importante que todos colaborem, cumprindo tudo o que as organizações de saúde estão propondo, para que a gente possa manter os empregos, algo tão importante neste momento para o povo pernambucano”, completou Lopes.

JANSSEN – Durante a coletiva, o secretário André Longo falou sobre a perspectiva de receber 118,6 mil vacinas contra a Covid-19 da Janssen que serão doadas pelos Estados Unidos (EUA) ao Ministério da Saúde (MS). Além de ampliar o número de doses no Programa Nacional de Imunização, este imunizante tem o benefício de finalizar o esquema vacinal em apenas uma dose, acelerando o processo de vacinação.

A orientação do órgão federal é que as vacinas, que chegarão em um prazo curto de vencimento, sejam utilizadas nas capitais. Contudo, Pernambuco decidiu, em pactuação com os gestores municipais, na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), ampliar o raio de uso, levando em conta as particularidades do cenário epidemiológico atual. Assim, além do Recife, Caruaru e Garanhuns, no Agreste; e Arcoverde, Serra Talhada e Afogados da Ingazeira, no Sertão, serão inclusos nessa força-tarefa para aplicar as doses na população. Essas são áreas que têm apresentado patamares alto de contaminação, sendo a vacinação um dos meios para diminuir os indicadores e, consequentemente, salvar mais vidas.

“Por serem grandes cidades, elas têm condições de aplicar as vacinas dentro do curto prazo de validade. Importante reforçar que os seis municípios que irão receber a Janssen terão descontadas estas doses, compensando os demais, que irão receber mais doses dos demais fabricantes”, destacou André Longo. O gestor frisa que, ao receber o insumo, que ainda não tem data definida de chegada informada pelo Ministério da Saúde, o Estado manterá sua logística ágil para encaminhar o insumo às cidades, para início imediato das atividades, que devem ser planejadas por cada localidade para otimizar o uso e utilizá-lo em sua totalidade no tempo preconizado.

A iniciativa contemplará as sedes das Gerências Regionais de Saúde (Geres) das Macrorregiões 2 e 3. Da Macrorregião 2 fazem parte as Geres IV e V, que têm como cidades polo Caruaru e Garanhuns, respectivamente. Já na Macrorregião 3 estão as Geres VI, X e XI, que contam com os municípios de Arcoverde, Afogados da Ingazeira e Serra Talhada como cidades centrais.

“A velocidade da pandemia no nosso Estado não obedece a um critério uniforme. Por isso, pactuamos com os municípios uma estratégia diferente para a distribuição da vacina da Janssen. Esse é mais um anúncio importante na nossa luta contra o novo coronavírus”, afirmou o governador Paulo Câmara. Ele ainda lembrou que “esses municípios são grandes centros comerciais e de serviços do interior do Estado. Com mais gente imunizada em menos tempo, poderemos ajudar a conter a aceleração da doença no Agreste e no Sertão”.

TRANSPARÊNCIA DOS DADOS – Já está disponível, no pecontracoronavirus.pe.gov.br, o Painel de Acompanhamento Vacinal, que detalha os dados da campanha de vacinação contra a Covid-19 em Pernambuco. O objetivo é dar mais transparência às informações e facilitar a visualização pelo grande público, imprensa e pesquisadores. No ambiente, é possível verificar as doses aplicadas por público e o perfil.

Também estará disponível a relação entre as doses recebidas pelos municípios e quantas já foram efetivamente aplicadas. “Temos reforçado com os gestores municipais a importância de melhorar os índices e avançar na proteção dos pernambucanos. Já temos uma logística de distribuição ágil, mas, em posse da vacina, os municípios precisam usar as doses também com agilidade”, pontua o secretário estadual.

BALANÇO DA VACINAÇÃO – Pernambuco já aplicou 3.244.387 doses da vacina contra a Covid-19, chegando a 2.263.860 pernambucanos já vacinados com a primeira dose. Ao todo, foram feitas a primeira dose em 289.697 trabalhadores de saúde; 25.925 povos indígenas aldeados; 42.305 em comunidades quilombolas; 7.646 idosos em Instituições de Longa Permanência; 618.033 idosos de 60 a 69 anos; 396.579 idosos de 70 a 79 anos; 201.167 idosos de 80 anos e mais; 1.418 pessoas com deficiência institucionalizadas; 17.228 trabalhadores das forças de segurança e salvamento; 336.258 pessoas com comorbidades; 21.182 pessoas com deficiência permanente; 43.291 gestantes e puérperas; 120.869 pessoas de 50 a 59 anos; 589 pessoas em situação de rua, 372 pessoas privadas de liberdade; além de 141.301 trabalhadores de serviços essenciais.

Em relação à segunda dose, já foram beneficiados 216.277 trabalhadores de saúde; 25.587 povos indígenas aldeados; 1.204 em comunidades quilombolas; 5.617 idosos institucionalizados; 261.675 idosos de 60 a 69 anos; 318.796 idosos de 70 a 79 anos; 144.951 idosos de 80 anos e mais; 1.181 pessoas com deficiência institucionalizadas e 5.239 trabalhadores das forças de segurança e salvamento; totalizando 980.527 pessoas que já finalizaram o esquema.

Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.